As redes emergentes do Wikileaks: o estudo de estatísticas aplicadas ao Gephi

Padrão

Durante meu projeto de iniciação científica no Laboratório de Imagem e Cibercultura (Labic) desenvolvi alguns projetos, artigos e trabalhos que de certa forma podem auxiliar aqueles que se interessam por estudos de rede e internet.

Disponibilizo aqui um artigo resumo realizado para o Intercom 2013, na área de Rádio, TV e Internet. Este trabalho baseou-se no meu projeto de trabalho de conclusão de curso, um estudo aprofundado sobre o Wikileaks e suas narrativas, envolvendo estudos de perfis, debates e, sobretudo, de redes.

Nesse artigo, limito o estudo para algumas estatísticas específicas do Gephi:  grau, grau de entrada e centralidade de
autovetor.

Lembrando que os dados extraídos nesse artigo dizem respeito a tudo que foi falado sobre a hashtag #Wikileaks, no período de 06 de agosto de 2012 a 20 de novembro de 2012. Um momento marcado por debates controversos, envolvendo principalmente o fundador da organização, Julian Assange, que encontra-se (até hoje) sob proteção do Equador. Ainda nessa fase, um importante apoiador do site, o grupo Anonymous, rompe sua parceria com o Wikileaks.

É nesse cenário que emergem diferentes perfis que se destacam por suas conexões e forte presença na rede. A partir do software Gephi foi possível analisar quais eram esses usuários que tiveram uma maior participação na construção da narrativa #Wikileaks.

Aproveitem a leitura!

Download Artigo Intercom 2013

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s